Brincando com o Linux, leite? e Festa de São João.

As coisas andam bem corridas, você exige mais atenção a cada dia, passo grande parte do meu dia sentada no chão. Em alguns momentos do dia você se contenta c o Linux, ele corre de uma lado para outro, te da tapinhas, pula por cima da sua cabeça, e você só ri.

Um fato que me entristeceu muito esse mês é que você parou de mamar. Conversando com uma amiga esses dias eu comentei que nunca me imaginei grávida mas me imaginava amamentado, pensando sobre o assunto achei curioso, como pode né. Eu aproveitei, curti muito mais o tempo de te amamentei do que o tempo de grávida, adoraria ter você grudado no meu peito até uns 3 anos. Eu te olhava e via você saciado, feliz, e dormia tão bem a cada mamada, era algo realmente especial para mim.

Acredito que a natureza é sábia, ela decidiu que você tinha que crescer, evoluir, e eu não posso te prender. Li outro dia que as crianças sabem quando parar de mamar, são as mães que atrasam isso e persistem por mais tempo e eu não queria ser mais uma delas. Desde que você nasceu concordamos, seu pai e eu, que nosso principio básico na sua crianção seria a liberdade e o respeito, se essa já não era sua vontade eu não poderia força-lo.

Assim sua alimentação mudou um pouquinho mas não muito, me questionaram outro dia dizendo que eu deveria te dar mais leite já que não mamava mais, mas pra mim isso não fazia sentido, e como sempre conversei com nossa amada nutricionista de plantão Tia Angélica, e ela concordou comigo, concluindo que sua alimentação esta ótima.

Depois que acorda, 8h30/9h, você  toma um suco de laranja com cenoura ou mamão ou come um abacate com aveia e germem de trigo e uma colherzinha de mel. Toma muita água e às 12h almoça, arroz, feijão, carne de soja, panqueca, torta, o que tiver. Durante a tarde você costuma comer mais umas 2 frutas, pode ser kiwi, caqui, banana, manga, etc. Às 19h30 janta, não da pra variar tanto, então costuma ser um repeteco do almoço.  E um pouco antes de dormir, 22h, uma mamadeira com 250ml de leite.

É mais ou menos assim sua alimentação, você não precisa tomar mais leite pois come muito bem, come iogurte, queijo branco (amaaaa, meu ratinho), brócolis, escarola, espinafre, soja, feijão, de tudo um pouco. Você já tem 6 dentes e estão vindo mais 2 em baixo, e eles deixaram você bem chatinho esses dias, não queria come direito, um dia no almoço só comeu cenoura, no dia seguinte só abobrinha. Disseram que eu sou muito brava, pois se você não quer comer eu não te forço, mas você também não come outra coisa até a refeição seguinte.

Teve festa de São João em Joa esse mês, foi a sua segunda festa, mas você não ficou muito, primeiro por que acho que você é muito novo pra ficar batendo perna, ainda mais a noite. Segundo que você não come doce, é a festa é uma perdição nesse ponto, é doce para todos os lados. Terceiro somos contra o consumismo, e me desculpem os outros mas isso que acontece na festa, te barracas para todos os lados com brinquedos coloridos, brilhantes, com luzinhas e sei lá mais o que… sem contar o parquinho, 4 conto o ingresso, isso é um absurdo, e pra ficar 3 minutos no brinquedo, como se a criança fosse se contentar com 3 min. Desculpa mas acho que podemos te dar experiências muito mais interessantes e construtivas.

Você também teve uma assadura por fungo, nem sabia que isso existia, mas conversando com outras mães de comunidades que participo, descobri que é normal. Imagino que a sua veio de usar lenço umedecido, sempre tive nojo mesmo daqueles lencinhos e só usávamos em raras ocasiões, normalmente na rua, mas agora nem assim, levo um borrifador com água, algodão, pomada, na mochila. è uma alergia muito chata, fica bem vermelho, resseca a pele e coça, foram mais de 14 dias passando pomada apropriada para sarar.

Já faz um tempo que venho lendo sobre a metodologia Montessori, e tenho curtido cada vez mais, temos tentado adaptar o apartamento seguindo ela, mas é difícil já que temos móveis, queria muito colocar sua cama no chão (e a nossa também), criar prateleiras baixas e tudo mais. Vou criando com o que temos, esses dias fiz um circuito psicomotor pra você, era para subir na cadeirinha, depois na mesa, pular para as poltronas, subir na outra mesinha e descer no colchão e você o fez foi bem legal, meu pequeno alpinista. Em um próximo post falo mais sobre isso.

Bjokitas

Anúncios

Borrrrr! Olha! Gua! Alô! Vó!

Tagarela, tagarela, tagarela.

Vi um dia desses uma imagem de um pai com seu filho e uma frase que era assim: “A gente carrega 9 meses na barriga, para nascer a cara do pai”. Tirando os 9 meses (você nasceu quase 1 mês antes do previsto), concordo plenamente com a frase.

Por mais que eu até tenha achado uma foto de um dos meus primos e você ser bem parecido com ele, não tem como negar que você é filho do Caio, tem umas fotos do seu pai bebezinho que se colocar no meio das suas daria até para pensar que é você, a diferença é que seu pai era mais moreno e você saiu meio desbotado rsrsrsr

Mas já encontrei traços meus em você diversas vezes, você tem o meu sorriso, é branquelo, bravo e fala, ah como fala. Não tem como dizer que você não é neto da Dona Shirley, a tagarelice corre por suas veias. Logo pela manhã, mal temos tempo de acordar e lá esta você falando. As vezes algo incompreensível outras até da para decifrar. Mas toda manhã você acorda, passa por cima de nós e vai até o telefone, tira do gancho e diz: “Alô”, as vezes é um “Alô, vó?”. Outro dia fomos até a loja Alô Bebê para comprar uma cadeirinha de carro (em outro post comento isso mais a fundo) para você e como era sexta-feira, fim da tarde, a loja estava vazia. Então todas as funcionárias só tinham você para paparicar, de repente o telefone toca e você, mais rápido que tiro de espingarda, coloca a mão na orelha e diz: Alô, alô, alô vó. Foi o suficiente para escutarmos um: “Ohhhhhhh” em coro, todas se derreteram.

Você já tinha soltado um mamã e papa algumas vezes, mas o que ficou para você nos chamar mesmo era Mor ou na sua língua Borrrrr. Se entrássemos no banheiro tínhamos que ficar gritando morrrrrrr lá dentro e você borrrrrr fora, mas assim você compreendeu que estávamos ali e que não precisava chorar pois logo sairíamos.

Sair com você na rua é uma alegria a parte. Você fica empolgado com tudo: folha, gato, pedra, passarinho, carro, caminhão, cachorro, pomba (você amaaaaaa pombas) e pessoas, fica apontando e falando: “Olha”, “olha”, “olha”. E como você mexe com as pessoas, o comum é ouvirmos ao longe um “ohhhhh”, “que fofo”, “lindinho” e por ai vai, já virei para lhar e ter certeza que era com você e não da outra. E é só olhar pra tua cara que está lá um sorriso enorme, fazendo graça, fazendo tchauzinho, fazendo fusquinha.

Mas dessa tagarelice toda, uma palavra que você aprendeu que tem nos ajudado muito é “gua”, água. Se para nós tomar água já um desafio pois esquecemos (juro que esqueço), quem dera lembrar de dar a outra pessoa. Já cheguei a me programar para fazer isso, e combinamos que todas as vezes que fôssemos beber água daríamos para você também. Porém, agora você pede quando quer, “gua”, “gua”, “gua”…. e como gosta de água e de pedir (apontando com o dedinho), mas esse é um assunto para o próximo post.

Bjinho

9 meses

Você esta oficialmente mais tempo fora da barriga do que ficou dentro 🙂

Meu Deus, como você esta grande, mal cabe no meu colo.

Não concordo com esse ritmo de crescimento, nasceu ontem e agora já esta quase andando, como pode?

Ainda estamos só nas frutas, o que foi bom pra todos aqui em casa, aprendemos a comer mais fruta. E você que no começo tentava mamar a papinha na ponta da colher, hoje come cada pedacinho mastigando bem que da gosto. Fizemos um vídeo de você comendo mamão junto com o Linux, assim que editarmos postamos.

No seu desaniversário desse mês nós esquecemos de tirar fotos, fiz um super bolo de cenoura (estava muito bom e super fofinho) que seu pai adorou e que daqui a pouco você irá provar, bem sem cobertura é claro.

Resuminho desses 9 meses:

– Você é um tagarela, é um tal de “dadadadada” pra cá e “dadadadadadada” pra lá, quando você esta chorando até solta um “mamã” ou um “papa”, mas nós não estamos apostando o que você dirá primeiro não, por mim você deveria ser imparcial e falar Linux, rs. Ah, o Cesar disse esses dias que você já fala Cesar.

– Engatinha como se tivesse nascido fazendo isso, é super rápido e não importa o terreno, pode ser até concreto que pra você está tudo certo.

– Se levantar apoiado também é super tranquilo, mas agora você criou uma mania de ficar agarrado na minha perna quando estou cozinhando ou lavando louça, mal consigo me mexer, mas isso é as vezes, na maior parte do tempo fica por perto brincando com alguma tampa de plástico ou coisa assim.

– Brinca com o Linux, e como me da gosto em ver isso. Você praticamente chama ele pra brincar, fico de olho, mas vocês se dão tão bem. É claro que você já levou umas unhadas no braço, mordidinhas na perna, mas nada de mais, ele tem um cuidado com você como nunca teve com a gente.

– Ficar em pé sem apoio é uma atividade que você vem aprimorando nos último dias, você se apoia na minha perna e solta as mãos e da aquele sorriso,  nós fazemos de tudo nessa hora, sorrimos, batemos palmas, damos gritinhos de felicidade e você fica ainda mais empolgado pra continuar, já consegue se manter no ar por uns 30 segundos, uma graça.

– Esta aprendendo a dar tchau, isso é coisa do seu pai, ele é que esta te ensinando a fazer isso, esta quase.

– Eu ensino a imitar indinhos, hehehehehe, coloco a mão na minha boca fico batendo e faço uauauauau, e depois coloco a mão na sua boca e você faz uauauauauau, super divertido.

Uma coisa é certa você é muito esperto e lindo, estamos cada vez mais orgulhosos.

Crescendo e se desenvolvendo

Não sei o que aconteceu esses dias mas você teve um salto de desenvolvimento. Acho que foi a magia do natal, só pode.

Até o natal você estava apenas “firminho”, ficava em pé quando segurado ,as ainda se desequilibrava quando sentado. Mas no dia 26 de dezembro, já em casa em sampa, você nos surpreendeu ficando em pé sozinho.

“Como pode? o moleque nem sabe engatinhar, mal fica sentado e quer ficar em pé”, assim pensamos. Mas lá estava você me escalando e ficando em pé, uns dias depois fizemos um vídeo:

No dia seguinte que fizemos esse vídeo, estávamos na casa do tio Fabio e você começou a engatinhar, como se sempre tivesse feito isso, ainda bem que estavamos com a câmera e deu pra te filmar, olha que lindo:

Parabénsss meu lindo, estamos muito, muito, muito feliz com seu desenvolvimento.

Linux

Pensei um tempo como te falar sobre a sua família, quem seria o primeiro a te apresentar? Papai? Mamãe? Avós ou avôs? Não, melhor ainda, o ser que você mais ama, mais admira: o Linux.


No dia 20 de fevereiro de 2010, estávamos saindo da casa dos seus tios, lá no Jardim São Paulo, e logo na rua de baixo da casa deles demos de cara com um gatinho branquinho, com cara de assustado e aparentava ter 2 meses.  Eu que sou uma manteiga derretida não aguentei e disse ao seu pai que precisávamos resgatá-lo, você já deve ter percebido (se não, logo perceberá) que sua mãe ama gatos, ele ficou meio relutante, mas após ter que salvar o pequeno gatinho de quase ser atropelado e de ver minhas lágrimas, concordou em levá-lo pra casa pra depois vermos o que faríamos. Deu muito trabalho pegá-lo, ele corria de um lado para o outro, se escondia, estava com medo o coitadinho, até que por fim ele se escondeu numa casa que estava com o portão aberto (a dona da casa até apareceu e perguntamos se o gato era dela e ela disse que não e me deixou procurá-lo), peguei ele atrás de uma estátua que tinha ao lado da porta da mulher. Escondemos o gato na mochila e pegamos o metrô, ele estava tão assustado que nem se mexia. No fundo seu pai sabia que não tinha volta, aquele gatinho ficaria em casa pra sempre.

Já em casa dei leite pra ele, arrumei um cantinho dentro do banheiro, com tapetes, jornal pra fazer xixi, leite e um pote pra ele se esconder. Ele era tão pequeno, que o pote de sorvete, daqueles de dois litros, era grande pro filhote.

Ele era medroso de dar dó, só se escondia o tempo todo. O engraçado é que ele enfiava a cabeça em algum buraco e achava que ninguém ia ver, então só víamos um rabo se mexendo saindo de algum canto.

 Por duas semanas fiquei pajeando o gatinho, dava leite morninho com conta gota pra ele, ensinei a comer, confesso que ele deu mais trabalho que você nas primeiras semanas, eu acordava de cada 2 horas com ele chorando e ele só parava quando eu o pegava no colo. Mas aos poucos ele foi se soltando, explorando o apartamento.

Ele durante o dia só dormia no meu colo, precisava colocá-lo na cama, deixar a TV ligada e sair de fininho, se não ele acordava e chorava de se ver sozinho, ainda mais que nessa época ele não conseguia descer da cama sem ajuda.

Com o tempo ele foi demonstrando seu gosto por equipamentos eletrônicos, deitava em cima do computador, do celular (isso mesmo, ele era tão pequeno que cabia inteiro sentado em cima de um celular), da TV, daí vem seu nome Linux, que é um software livre que tem como símbolo um pinguim super fofo, que se chama Tux, mas eu não sabia disso na época.

Seu pai tinha inventado de desmontar  três computadores velhos e transformar em um franskesntein, mas ficou enrolando com aquela pilha de PCs velhos e abertos um tempo até mandar tudo pra reciclagem. Enquanto ele ficava montando e desmontado, instalando e desinstalando várias versões de Linux, o nosso Linux entrava nas máquinas e mordia tudo.

Um dia seu pai inventou de comprar uma fórmica para usar de fundo em fotografias, mas o trambolho só ficava guardado, enrolado no chão. Advinha quem adotou aquilo. O Linux usava de corredor da diversão, ficava correndo de um lado para o outro e rolando dentro do rolo. Uma vez eu decidi que ia  fotografar ele brincando e não é que as fotos ficaram muito boas! Gostei tanto que enviei uma para a Folha, numa sessão de animais domésticos e ela foi publicada. O Linux ficou famoso!

Nessa mesma época ele tinha uma mania de levar todos os bichos de pelúcia da casa para o pote de ração, era uma gracinha até ele começa a morder e destruir os bichos. Por fim ele adotou uma pata e ele só desconta nela hoje, mas não que não tenha tentado pegar os seus bichinhos, antes mesmo de você nascer.

O Linux foi ficando, aprontando e aprontando mais um pouco. Antes de você nascer ele era o príncipe da casa, curiosamente, depois que você nasceu ele acha que subiu de posto, que agora é rei e você o príncipe. Bichinho engenhoso do meu coração.

                        

Como encontramos ele já nascido, estimamos a idade e tivemos que escolher uma data de aniversário , então seu pai sugeriu 3 de dezembro, que ficou. Então hoje,  ele fez dois anos e ganhou um bolo. Como nem você nem ele comeram, nós dois tivemos que comer inteiro, 3/4  pro seu pai e ¼ pra mim!

Te esperando

Continuando o post: 1 ano de concepção, no qual contei uma parte de como te descobrimos, pra finalizar estou repostando umas publicações que fiz sobre o assunto de um outro blog que eu tinha.
Grávida, eu?

Confesso que não foi uma notícia fácil de entender, muito mais por que achava que essa hora demoraria mais pra acontecer, de alguma forma, tinha me convencido de que seria a velha dos gatos, rs.
Não te senti os dois primeiros meses, se não fosse uma bruxa nem desconfiaria. Deixa eu explicar essa história: sua vó Silvana tem uma amiga bruxa que foi visitar, ela estava abrindo as catas e foi ver como estava a vida dos filhos, e diz: “Nossa, quanta carta de maternidade”; sua vó na hora perguntou pra quem, se era para o Otávio e pra Ceci (que vivia falando que queria outro filho), e a bruxa responde que não. Então para o Pedro e pra Fernanda (que estavam pra ir morar junto), mas eu sempre fui a última opção, já que sempre disse que que não ia ter filhos, mas a mulher diz: “é pro Caio e pra Aline, e ela já não esta grávida não?!”, minha sogra: “Aline, imagina, ela toma remédio, se cuida” e a bruxa termina assim: ” então fala pra ela se cuidar mais, eu engravidei dos meus dois filhos tomando remédio”.
Quando ela me contou isso gelei, mas tudo estava normal, era só redobrar os cuidados. Isso era começo de outubro, no fim do mês, seu pai viajou por uma semana, nunca passei tão mal na minha vida, tontura, enjôo e os terríveis vômitos; pensei que devia ser ansiedade por ficar sozinha, não estava comendo direito e em novembro menstruei de novo, pouco, mas menstruei, como podia estar grávida?
Novembro é dos piores meses do ano pra gente na faculdade, é prova, trabalho, ficou tensa, nem percebi quando em dezembro não menstruei, só pensei no assunto quando entrei de férias, dai lembrei da bruxa e fiquei nervosa.
Como você conta uma coisa dessa pro namorado, depois de muita enrolação, falei! Imagina uma pessoa tranqüila, esse é o seu pai, só disse pra fazermos o teste de farmácia pra dai pensar no assunto, e adivinha o que deu: POSITIVO, dai depois de uma longa conversa de 5 horas, tudo estava certo, já havíamos feitos planos para o futuro e escolhido teu nome: Yuri.
Ele cansado, conseguiu virar pro lado e dormir, eu passei a noite na internet só consegui dormir depois das 7 da manhã.
Era dia 19/12, combinamos de contar pra todo mundo no natal, quando fôssemos para casa dos nosso pais em Joanópolis.

Pedro e o Lobo

Sabe a história do Pedro e o lobo? aquele menino que ficava gritando: “lobo, lobo, lobo” e era mentira até que um dia o lobo apareceu ninguém acreditou e ele foi comido.
Então, ao contar que eu estava grávida parecia essa história e eu era o Pedro, ninguém acreditava em mim, vê se pode bebê?
Esta certo que em família sou meio brincalhona, mas nunca fui mentirosa, nem no truco eu blefo. Nem minha mãe, sua vó Shirley, acreditou em mim.
Eu precisava desabafar com alguém, então contei para as minhas melhores amigas (pra tia Aline e pra Madrinha Jé), o teu pai fez o mesmo, estávamos empatados até então.
Chegamos em Joa pela manhã do dia 24/12, combinamos de levar minha mãe pro trabalho e durante o trajeto contar, enrolei, enrolei e contei, e ela não acreditou, teve que seu pai confirmar. Pra sua vó Silvana, seu pai que contou, acreditou na hora. Era a vez do meu pai e minha avó, nenhum acreditou, teve que seu pai confirmar. Seu tio Pedro foi o mais engraçado, me ligou pois não estava conseguindo falar com seu pai, que havia deixado uma mensagem pra ligar, e quando contei foi uns 10 minutos de:”verdade?” – eu: “sim!” – ele: “não! verdade?” – eu: “sim!” – ele: “não! verdade?”, e assim vai, teve que sua vó confirmar. Pode?
Não contei pra mais ninguém também, e ao contrário de mim, teu pai contou pra metade da cidade, considerando que Joa é um ovo, foi metade mesmo. A pessoa mais empolgado foi o tio Fabio, seu pai já tinha contado quando eu o encontrei, ele pulava de alegria.
O natal foi mais divertido por causa disso.

Confirmadissímo…

Pra ter completa certeza, logo depois do natal, fomos procurar uma clínica pra fazer teste sanguíneo, só conseguimos em Atibaia, 20 minutos depois de tirar sangue, POSITIVO. Mas, vamos combinar que, fazer um exame de sangue não é o suficiente pra você acreditar que está grávida. Eu pelo menos precisava de mais que isso, mas fim de ano nada esta aberto, se já foi difícil achar um laboratório pra fazer o exame de sangue, quem dera fazer um ultrasson.
Depois do Ano Novo, passamos um dia inteiro ligando pra todos os lugares possíveis na região, só no dia seguinte conseguimos marcar um ultrasson. Ultrasson marcado, fomos te ver, logo de cara o médico já disse: “Quer saber o que é?”… era verdade! …”é um menino”, que era um menino eu já sabia, mas que estava realmente grávida era uma dúvida, como pode? Naquele dia vi o contorno do seu minusculo corpinho, seu úmero, seu femur e seu coração pulsando vigorosamente. Bem, confirmado estava, você existia, hora de procurar um pré natal.

Sobre o pré natal e a sua chegada conto depois.

1 ano de concepção

Hoje é aniversário da mamãe, 23 aninhos, uma garotinha ainda, rs.

Nesse mesmo dia do ano passado você começou a surgir, um pedacinho do seu papai se juntou a um pedacinho meu e aos pouquinhos vc foi ganhando forma, crescendo, crescendo, até eu te descobrir. Por meses eu nem imaginei que vc esta ali na minha barriga, tudo parecia tão normal.

Aos poucos vc descobrirá que sua mamãe não é muito igual as outras, sou um pouco estranha, não gosto muito do comum, então como poderia ter uma gravidez tradicional. O normal é passar os 3 primeiros meses vomitando, com tonturas, algumas com desmaios, mas eu não tive nada disso.

Só passei mal uma vez, no final de outubro de 2010, vomitei, mas eu estava com um medinho de ficar sozinha, seu pai tinha ido viajar, ficou fora uma semana e eu não conseguia falar com ele; sozinha em casa só comi besteira, nem era motivo suficiente pra suspeitar de você, mas uma amiga da mamãe pensou nisso, a Bia, sabe aquela loira bonita que vc vê todo mês no MAC depois de passar no médico, ela falou que podia ser vc, mas não acreditei.

Com as provas de fim de ano chegando, trabalhos pra entregar, trabalhar no museu, fiquei com a cabeça tão cheia que nem suspeitei de nada, só quando tudo se acalmou, esta de férias da facul e do trabalho é que me dei conta que talvez vc pudesse estar na minha barriga. Falei pro seu pai que calmamente me levou pra comprar um teste, voltamos pra casa, fiz, e lá estavam os 2 tracinhos confirmando sua presença, conversamos por 5 horas, desde o que fazer no dia seguinte, até os seus 15 anos, brincadeira.

Uma coisa eu tinha certeza desde que os dois tracinhos apareceram, você seria muito amado, seria um menino e se chamaria Yuri.